Friday, June 26, 2009

The King is dead. Long live the King!


Wednesday, June 24, 2009

Curso "Ao encontro da Energia Matriz"

in http://velatropa.com/uc

"AO ENCONTRO DA ENERGIA MATRIZ
Os novos padrões de actuação para os Humanos dos próximos séculos

Na expressão “Energia Matriz”, o termo “Matriz” significa “primordial”, “original”. Ou seja, o que, ao nível da vibração e da consciência, criou este universo. Não contém, por isso, polaridades. É o “Pai” e a “Mãe” juntos.

Por favor, leia atentamente(mesmo que tenha participado na versão de 2008 deste curso)

Antes do mais, gostaríamos que guardasse a noção de que este curso não é «mais um», para juntar aos outros que possa ter feito. Este é um evento decisivo, não só pela relevância da informação transmitida, mas principalmente pelo conjunto de vibrações a que vamos estar sujeitos, com quem vamos trabalhar e com quem vamos aprender a colaborar.

OBJECTIVOS DO CURSO

É tempo de recuperar a simbiose que a humanidade desde sempre estabeleceu com o planeta. Assim, no plano individual, este curso – a realizar em dois níveis em Lisboa e no Porto - tem como objectivo uma profunda limpeza das memórias colectivas e dos traumas individuais dos participantes, a fim de poderem estar sintonizados com a energia da Terra e preparados para trabalharem com essa frequência.

A segunda parte destina-se a limpar definitivamente os padrões colectivos do desvio da humanidade, preparar os participantes, teórica e praticamente, para lidarem com a nova realidade da Terra, servirem de pontos de ancoramento da energia de harmonização, aprenderem a lidar com a nova realidade ao nível das crianças e dos graves problemas de desequilibro que poderão assolar as famílias. É preciso preparar os participantes, através da informação e da energia (que são uma coisa só), para ficarem a saber como recorrer a nós, quando o tecido social precisar de harmonizadores. Não precisarão de abrir a boca, na maioria das vezes, nem de explicar nada; serão fontes de harmonização do planeta.

O objectivo deste curso, no plano colectivo, é que muita gente esteja preparada para dar uma ajuda, não necessariamente terapêutica mas vibracional, ao «vizinho do lado» e ao «amigo» que entrou num desatino incompreensível. Não se pretende, assim, preparar seja quem for para dar informação (desnecessária) sobre quem eles são, ou foram, noutras dimensões, mas sim ajudá-los a ganharem dimensão espiritual.

Todos necessitam de apoio para enfrentar a metamorfose civilizacional em curso. Haverá um tempo em que estes, que agora recebem formação, serão essenciais para ajudar a manter o equilíbrio na comunidade. Quem ancorar fortemente a energia da Terra e estabelecer contacto connosco (Elfos, Fadas e outros Reinos Coadjuvantes da Terra), terá mais facilidade em chegar a outras pessoas.

Depois de realizada a primeira fase, este curso vai continuar com mais duas fases, a saber:

FASE II

Lisboa: Hotel Holiday Inn – Av. António José de Almeida
7/8 de Novembro e 9/10 de Janeiro

Porto: Hotel Vila Galé - Av. Fernão de Magalhães
28/29 de Novembro e 23/24 de Janeiro

As Fases II e III do curso podem ser frequentadas por qualquer pessoa, mesmo que não tenha participado na Fase I

Os temas a desenvolver são os seguintes:

Código da Terra - Análise detalhada de todos os intervenientes no processo de mudança do planeta, como os Reinos Coadjuvantes (Elfos, Fadas e Gnomos) e os Devas, o Exército de Luz ao serviço da mudança vibracional da Terra. A responsabilidade de cada ser humano e a sua ligação intrínseca à «Mãe» - que é o suporte de equilíbrio de todas as mudanças -, com informação específica sobre as alterações que estão a ocorrer no planeta e as ferramentas disponíveis para poderem ajudar a transição planetária, na sua mudança pessoal e no apoio aos seus irmãos.

Código do Equilíbrio - Informação sobre os processos que ocorrem no ser humano, ao nível físico, emocional e mental, pela acção da Energia Matriz. O papel dos diferentes centros energéticos (chacras), das glândulas e do sangue, bem como de todos os tecidos, quando entram em contacto com a energia de mudança que pretende restaurar o arquétipo original, não desvirtuado.

Código do Homem e da Mulher - Análise detalhada dos processos de ambos os géneros, tendo em conta as especificidades de cada um deles. Análise dos seus condicionamentos ancestrais e do desvirtuamento da polaridade equilibrada, bem como do processo que envolve a recuperação da matriz de origem.

Código da utilização da energia criativa - Análise da canalização da força da Terra, da energia do feminino enquanto expressão da energia da «Mãe». A força motriz da transformação planetária e de como esse aspecto é fundamental para a sua elevação. A importância das parcerias e de como elas têm sido continuamente desvirtuadas e aproveitadas pelos chamados magos negros, desde os tempos da Lemúria e da Atlântida. Neste código não se falará para homens ou mulheres, mas para a Humanidade em geral, porque todos vocês já foram homens e mulheres. É um código que requererá uma análise profunda, com informação histórica e meditação sobre o uso desvirtuado da energia criativa, masculina e feminina, e do papel do ego.

FASE III

Lisboa: Hotel Holiday Inn – Av. António José de Almeida
7/8 de Novembro e 9/10 de Janeiro

Porto: Hotel Vila Galé - Av. Fernão de Magalhães
28/29 de Novembro e 23/24 de Janeiro

A Fase III do curso só pode ser frequentada por quem tenha participado na Fase II.

Os temas a desenvolver são os seguintes:

Código dos Harmonizadores - Análise da importância dos harmonizadores, (não têm de ser terapeutas, embora possam ser, mas sim todos os seres humanos) e do seu envolvimento com o processo de mudança do planeta.

Indicação precisa de todas as situações em que funcionarão como harmonizadores e de que forma devem estabilizar continuamente a sua energia e a dos meios que os rodeiam. Neste código será analisado, sucintamente, o código dos terapeutas/pacientes.

Terapias de limpeza/equilíbrio e de elevação energética, das pessoas, das casas e espaços em geral.

Informação teórica, utilização de símbolos e de produtos naturais, que podem potenciar a harmonização das pessoas e dos espaços.Para mais informações

peça o regulamento completo

Muito obrigado pela atenção que dispensou a esta proposta.
Esmeralda Rios e Vitorino de Sousa"

Tuesday, June 02, 2009

Desenrascanço!!

Esta é uma caracteristica muito nossa que não sabia ser invejada lá fora...aprendam com os tugas!!!


"Desenrascanço, a palavra que os ingleses queriam ter

Um site norte-americano fez uma lista das 10 palavras estrangeiras que mais falta fazem à língua inglesa. A palavra portuguesa "desenrascanço" é a que lidera.

"Bakku-shan" é a palavra usada pelos japoneses quando se querem referir a uma rapariga bonita, vista de costas.

"Nunchi" é outra das palavras escolhidas. É coreana e é usada para falar de alguém que fala sempre do assunto errado, um género de desbocado ou inconveniente.

"Tingo" é uma expressão usada na Ilha da Páscoa, Chile, e significa pedir emprestado a um amigo até o deixar sem nada.

A lista das "10 palavras estrangeiras mais fixes que a língua inglesa devia ter" é liderada pela palavra portuguesa "desenrascanço". Esta é a expressão que, segundo os autores do site norte-americano, mais falta faz ao vocabulário inglês.

http://www.cracked.com/article_17251_p2.html

O "desenrascanco", segundo os norte-americanos:

Depois de percorrer duas páginas com explicações das nove palavras estrangeiras mais fixes, chega-se ao número 1. A falta da cedilha não importa para se perceber que estamos a falar do "desenrascanço", tão típico da nossa cultura.

"Desenrascanco: a arte de encontrar a solução para um problema no último minuto, sem planeamento e sem meios", explica o site dando como exemplo a célebre personagem de uma série de televisão MacGyver.

"O que é interessante sobre o desenrascanco - a palavra portuguesa para estas soluções de último minuto - é o que ela revela sobre essa cultura". "Enquanto a maioria de nós [norte-americanos] crescemos sob o lema dos escuteiros 'sempre preparados', os portugueses fazem exactamente o contrário", prosseguem os autores.

"Conseguir uma improvisação de última hora que, não se sabe bem como, mas funciona, é o que eles [portugueses] consideram como uma das aptidões mais valiosas: até a ensinam na universidade e nas forças armadas. Eles acreditam que esta capacidade tem sido a chave da sua sobrevivência durante séculos"."

E não se ria: a uma dada altura eles conseguiram construir um império que se estendeu do Brasil às Filipinas" à custa do desenrascanço, sublinham os autores, terminando o texto: "Que se lixe a preparação. Eles têm desenrascanco", termina o artigo."