Monday, June 07, 2010

Reflexões

In "E o Universo desaparecerá"

"...Existem quatro atitudes de aprendizagem importantes por que irás passar durante o teu regresso a Deus. Toda a gente irá passar pelas quatro e toda a gente que progride irá ocasional e inesperadamente saltar de uma para a outra. Cada nível traz consigo pensamentos diferentes e experiências diferentes, daí resultantes, e irás interpretar a mesma escritura de forma diferente dependendo da atitude de aprendizagem em que estiveres integrado no momento.

O dualismo é a condição de quase todo o universo. A mente acredita no domínio do sujeito e do objecto. Conceptualmente, pareceria, para aqueles que acreditam em Deus, que há dois mundos e que ambos são verdadeiros: o mundo de Deus e o mundo do homem. No mundo do homem, tu acreditas, muito prática e objectivamente, que há de facto um sujeito - tu - e um objecto, nomeadamente, tudo o resto. Esta atitude foi bem expressa através do modelo da física newtoniana. Acreditava-se que os objectos que compõem o universo de um humano, que até há poucos séculos atrás era simplesmente chamado o mundo e se referia a todas as manifestações, existem separadamente de vós e podem ser manipulados por vós - o "vós", refere-se ao corpo e ao cérebro que parecem controlá-lo. De facto, como já referimos, o corpo e o cérebro que vocês jugam ser parecem ter sido causados pelo mundo. Como veremos, esta ideia é exactamente ao contrário.

Por necessidade, a atitude em relação a Deus que acompanha esta atitude de aprendizagem é que Ele está algures fora de ti. Existes tu e existe deus, aparentemente separados um do outro. Deus, que é na verdade real, parece distante e ilusório. O mundo, que é na verdade ilusório, parece próximo e real. Por razões que serão descritas mais tarde, a tua mente dividida, que se separou da casa como o Filho Pródigo, atribuiu inconscientemente a Deus as mesmas qualidades que a tua mente separada possui. Assim, Deus e as mensagens que parecem vir dele estão em conflito.

Não te esqueças que a maior parte disto é inconsciente - o que significa que parece existir no mundo exterior e não na tua mente dividida. Por isso, Deus é considerado como sendo ao mesmo tempo clemente e irado. Ele tanto é terno como assassino, dependendo aparentemente do estado de espírito em que está. Isso pode ser uma boa descrição do conflito de uma mente dualista, mas dificilmente é uma descrição de Deus.

Quase não vale a pena dizê-lo, mas tudo isto leva a excentricidades incontáveis, incluindo a noção bizarra de que Deus desempenharia de algum modo um papel na instrução de pessoas para matarem outras pessoas a fim de adquirirem certas terras e colónias, ou de levarem a uma versão da justição ou da religião verdadeira para toda a gente.

A tragédia absurda da dualidade é considerada como normal por todas as sociedades modernas, que são elas próprias doidas varridas."

0 Comments:

Post a Comment

<< Home