Tuesday, July 27, 2010

Hebreus 11 - Fé e testemunho

"
O que é a fé - A fé é um modo de já possuir aquilo que se espera, é um meio de conhecer realidades que não se vêem.
Um povo que viveu da fé - Foi por causa da fé que os antigos foram aprovados por Deus.
Pela fé, sabemos que a Palavra de Deus formou os mundos; foi assim que aquilo que vemos se originou de coisas invisíveis. Pela fé, Abel ofereceu a Deus um sacrifício melhor que o de Caim. E, por causa da fé, ele foi declarado justo, e o próprio Deus afirmou que aceitava os seus dons. Embora estando morto, Abel continua a falar pela sua fé. Pela fé, Henoc foi levado, para que não experimentasse a morte. E nunca mais foi encontrado, porque Deus o levou; e, antes de ser levado, foi dito que ele agradava a Deus. Mas é impossível agradar a Deus sem a fé. De facto, quem se aproxima de Deus deve acreditar que Ele existe e que recompensa aqueles que O procuram. Pela fé, ao ser avisado divinamente sobre coisas que ainda não via, Noé tomou o aviso a sério e construiu uma arca para salvar a sua família. Por essa fé, condenou o mundo e tornou-se herdeiro da justiça que provém da fé.
Pela fé, Abraão, chamado por Deus, obedeceu e partiu para um lugar que deveria reeceber como herança. E partiu sem saber para onde. Pela fé, foi residir como estrangeiro na Terra Prometida. Morou em tendas juntamente com Isaac e Jacob, que também eram herdeiros da mesma promessa. Abraão esperava a cidade bem alicerçada, cujo arquitecto e construtor é o próprio Deus. Foi pela fé que também Sara, embora sendo velha, se tornou capaz de ter uma descendência tão numerosa como as estrelas do céu e inumerável como os grãos de areia da praia do mar.
Todos eles morreram na fé. Não conseguiram a realização das promessas, mas só as viram e saudaram de longe; e confessaram que eram estrangeiros e peregrinos sobre a Terra. Falando assim, demonstraram que estavam em busca de uma pátria. Se pensassem que essa pátria era aquela de onde tinham saído, teriam a possibilidade de voltar para lá. Mas não; eles aspiravam por uma pátria melhor, isto é, a pátria celeste. Por isso, Deus não Se envergonha de ser chamado seu Deus; na verdade, Deus preparou-lhes uma cidade.
Pela fé, Abraão, colocado à prova, ofereceu Isaac; e justamente ele, que havia recebido as promessas, ofereceu o seu único filho, do qual fora dito: «De Isaac sairá uma descendência que terá o teu nome». De facto, Abraão pensava que Deus é capaz de ressuscitar os mortos. Por isso, Abraão recuperou o seu filho. E isso tornou-se um símbolo.
Pela fé, Isaac abençoou Jacob e Esaú, também a respeito de coisas futuras. Pela fé, Jacob, agonizante, abençoou cada um dos filhos de José, e prostrou-se, apoiando-se na extremidade do seu bastão. Pela fé, José mencionou, já no fim da vida, o êxodo dos filhos de Israel, e deu ordens sobre o que deveria ser feito com o seu cádaver.
Pela fé, Moisés recém-nascido foi escondido pelos seus pais durante três meses, porque viram que o menino era bonito. Eles não tiveram medo do decreto do rei. Pela fé, quando já era adulto, Moisés recusou ser chamado filho da filha do Faraó; preferiu ser maltratado com o povo de Deus, a gozar por pouco tempo os prazeres do pecado. Fez isto porque considerava a humilhação de Cristo uma riqueza maior do que os tesouros do Egipto; de facto, olhava para a recompensa.
Pela fé, Moisés deixou o Egipto, sem temer a ira do rei; permanceu firme, como se visse o invísivel. Pela fé, celebrou a Páscoa e marcou as portas com sangue para que o exterminador não matasse os primogénitos de Israel.
Pela fé, atravessaram o Mar Vermelho como se fosse terra seca, enquanto os egípcios, tentando passar, se afogaram. Pela fé, caíram os muros de Jericó, após as voltas ao seu redor durante sete dias. Pela fé, a prostituta Raab não morreu com os incrédulos, porque acolheu espiões israelitas.
Que mais posso dizer? Faltar-me-ia tempo, se quisesse falar de Gedeão, de Barac, de Sansão, de Jefté, de David, de Samuel e dos profetas. Graças à fé, eles conquistaram reinos, implantaram a justiça, alcançaram as promessas, fecharam as bocas dos leões, apagaram a violência do fogo, escaparam ao fio da espada, extraíram força da sua própria fraqueza, mostraram-se valentes na guerra e expulsaram os invasores estrangeiros. E algumas mulheres recuperaram os mortos, por meio da ressurreição.
Outros foram esquartejados, recusando a libertação que lhes era oferecida, a fim de alcançarem uma ressurreição mais valiosa. Outros, enfim, foram humilhados e espancados, amarrados e lançados na prisão, Foram apedrejados, serrados ao meio, mortos ao fio da espada. Andaram errantes, vestidos de pele de ovelha e de cabra, necessitados, atribulados, maltratados. Esses homens tinham que vaguear por desertos e montanhas e refugiar-se em grutas e buracos. O mundo não era digno deles!
Todos eles foram aprovados por Deus por causa da fé que tinham. Mas nenhum deles alcançou a promessa. Deus preparou-nos algo de melhor, a fim de que, sem nós, eles não obtivessem a perfeição."

Monday, July 26, 2010

Colossenses 3 - Vida Nova em Cristo

"Fazei morrer aquilo que em vós pertence à terra: fornicação, impureza, paixão, desejos maus e a cobiça de possuir, que é uma idolatria. Isso é o que atrai a ira de Deus sobre os rebeldes. Outrora, também vós éreis assim, quando vivíeis entre eles. Agora porém abandonai tudo isso: ira, raiva, maldade, maledicência e palavras obscenas que saem da vossa boca. Não mintais uns aos outros. De facto, fostes despojados do homem velho e das suas acções, e vos revestistes do homem novo que, através do conhecimento, se vai renovando à imagem do seu Criador. E aí já não há grego nem judeu, circunciso ou incircunciso, estrangeiro ou bárbaro, escravo ou livre, mas apenas Cristo, que é tudo em todos.

Como escolhidos de Deus, santos e amados, revesti-vos de sentimentos de compaixão, bondade, humildade, mansidão, paciência. Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente, sempre que tiverdes queixa contra alguém. Cada um perdoe o outro, do mesmo modo que o Senhor vos perdoou. E acima de tudo, revesti-vos com o amor, que é o laço da perfeição. Que a paz de Cristo reine no vosso coração. Para essa paz fostes chamados, como membros de um mesmo corpo. Sede agradecidos. Que a palavra de Cristo permaneça em vós com toda a sua riqueza, ensinando-vos e admoestando-vos mutuamente com toda a sabedoria. Inspirados pela graça, cantai a Deus, de todo o coração, salmos, hinos, cânticos espirituais. E tudo o que fizerdes através de palavras ou acções, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando graças a Deus Pai por meio d'Ele."

Sunday, July 25, 2010

Seminário «Parcerias, Novas Crianças e Energia Matriz»

"Porto, 17 Julho 2010
Esmeralda Rios:
A mudança do ser humano quer seja homem ou mulher, acontece não só pela sua disponibilidade interna, mas também por via das transformações que estão em curso nas 13 dimensões da Terra. Quer isto dizer que uma parte das alterações tem de partir do coração humano, e que outra parte provém da teia interdimensional deste planeta.
Como representante da Deusa Maior da Matriz do Feminino, gostaria de vos relembrar que a Vida encontra sempre um caminho para se expressar. E como, neste momento, Vida é sinónimo de Amor ‐ ou não fosse essa a expressão da Deusa ‐, a Vida responde ao Amor. Mas responde lentamente devido às escolhas humanas, frequentemente inadequadas à situação. As vossas almas, porém, estão “cansadas” e resolveram alinhar as suas projecções terrenas ‐ vocês ‐ com a vontade da Fonte e Comigo. Assim, tudo está a ser redimensionado. Há muito que se esperava pelas condições necessárias para promover esta metamorfose.

Assim, em termos planetários, a Vida responde ao chamamento da Deusa. Todas as vossas células, lentamente, começaram a responder ao estímulo de transformação do Amor. Quando se diz que, dentro de vinte ou trinta anos, nenhuma outra Matriz poderá manifestar‐se na Terra, quer dizer que a Vida, nas suas diferentes formas existenciais, só funcionará respondendo ao Amor. Por outras palavras, se os seres humanos não ganharem consciência e não se alinharem com a sua Projecção Superior, a sua própria biologia começará a boicotar a sua expressão na Terra, encurtando o tempo de vida ou fazendo‐os desencarnar rapidamente. À medida que aumenta a intensidade da Energia Matriz, as células vão despertando para esse novo modo de funcionamento. O centro cardíaco de todos os seres humanos, mesmo o dos criminosos, dos terroristas, dos seres da alta finança que manipulam o mundo, etc., começou a pulsar de forma diferente. É natural, portanto, que venham a sofrer profundos incómodos e transtornos físicos e psicológicos sem, no entanto, os relacionarem com o que vibracionalmente está a acontecer na Terra. Aguardem pelas consequências!

Uma nova forma de alienação (como dirão os jornais), vai espalhar‐se pelo planeta num futuro mais ou menos próximo, devido ao facto de as pessoas se apaixonarem pelo Espírito. É certo que muitas padecerão de ingenuidade e, por isso, serão manipuladas, mas todas buscarão essa energia, que as estimula e faz arder de emoção, como forma de saírem das suas realidades penosas. Só nesse estado de “enamoramento” é possível tomarem consciência das mudanças que têm de fazer. A dor e o sofrimento só continuarão se houver resistência à autotransformação. Mas vai haver muita resistência por parte de muitos! O cenário não é cor‐derosa! Porém, vocês e muitos outros espalhados pelo mundo, cá estarão para sustentar essa mudança, servindo de canais da vibração necessária à requalificação da Terra e da sua humanidade.
Parcerias afectivas
Neste seminário sobre parcerias importa referir que qualquer ser humano tem de equilibrar o seu Masculino e Feminino internos, aceitando‐se plenamente. Só assim, poderá conectar‐se com os seus Planos Superiores. Como é que se faz isso? Para começar, através de uma determinação convicta; depois, reconhecendo que tal reequilíbrio é inevitável. Só então poderão começar a aplicar as centenas de técnicas e exercícios de que já dispõem. Todo o resto acontecerá por acréscimo. Muita coisa será libertada e purificada a partir desse momento: carências, dependências, inseguranças, projecções, remorsos e culpas. Progressivamente, e com o tempo, todos os medos ‐ que muito vos condicionam e vos levam a parecer autómatos ‐ começarão a libertar‐se por via dessa energia que vos apaixona e que vos faz progredir, independentemente das dificuldades e dos olhares estranhos daqueles que não reconheceram ou rejeitaram a necessidade de purificação interna. O trabalho poderá ser árduo e longo. Os métodos a aplicar poderão ser diferentes mas a vibração será sempre a mesma: uma energia de Amor que, de uma forma sublime e incompreensível, vos arrebata e transporta para um Caminho que, sozinhos, nunca teriam decidido percorrer. Só depois deste processo, altamente depurador, estarão em condições de se doarem plenamente a outra pessoa. Até lá, o mais certo é ser mais do mesmo: ciúmes, críticas, julgamentos, intolerância, imposições, controlo, violência, inveja e luta pelo poder, pois é nesses parâmetros que, presentemente, estão programados. Logo, enquanto não se desprogramarem, nada feito!

Todavia, sem aceitarem, no vosso centro cardíaco, essa “energia de enamoramento”, emanada pela Fonte através da Deusa, e que eu expresso através do meu Centro Interno Cristalino, para servir de sustentação à mudança, continuarão a ser totalmente incapazes de transformar os vossos relacionamentos em algo sublime, onde só cabe o respeito pela parceria, seja ela do mesmo sexo ou não. Só através dessa “energia de enamoramento” poderão perceber quando é o tempo de partilhar ou quando é tempo de partir. Não se sintam sozinhos, pois estão sempre ‐ mas sempre ‐, em comunicação com a Fonte e em conjunção com a teia interdimensional. Não têm como aperceber‐se, contudo, da miríade de Seres que acompanha cada um de vocês, individualmente, e no vosso conjunto maior, como Humanidade. Mas saibam que eles existem e estão convosco para vos ajudar, desde que vocês reconheçam e aceitem essa ajuda.
Encaminhamento
Cabe‐me ainda referir algo que, aparentemente, não tem relação com o tema que temos estado a abordar. Mas é só aparentemente. Na 4ª dimensão existe um conjunto de seres que vocês apelidam de “desencarnados”, que necessitam de ser encaminhados, pois não conseguem aceder aos patamares superiores da sua existência. Assim, peço a todos aqueles cuja função é cuidar desse encaminhamento, para usarem essa “energia de enamoramento”, para criarem um túnel de elevação por onde eles possam seguir. Este trabalho é fundamental, porque esses milhões de criaturas, perdidas ou desorientadas, estão a aumentar a densidade planetária, servindo de tampão à evolução. Muitos deles, por ressonância vibracional, são até atraídos para as vossas ilusões mentais e dramas emocionais. Ora, a Terra precisa de ser libertada dessa densidade. Os trabalhos colectivos, como este seminário, onde se gera muita vibração positiva, também contribuem para os encaminhar, porque eles reconhecem essa energia e usam‐na como propulsor para a sua ascensão.
Termino dizendo apenas que aquilo a que chamam “Amor”, e que tanto procuram, reside em todas as vossas células. Decidam‐se a usá‐lo em proveito da vossa própria mudança. E nunca se esqueçam de que a alegria é o motor da existência humana e não humana. Quando o coração se entristece, a penumbra corre o seu véu sobre vocês, desligando‐vos da Fonte. Muito obrigado pela atenção.

Lisboa, 18 Julho 2010
Vitorino de Sousa:
Homossexualidade
Para que fique claro, eu falo‐vos de uma dimensão onde não existe separação de géneros e, portanto, não nos confrontamos com os mesmos problemas com que vocês têm de se confrontar. Tal não quer dizer, porém, que não estejamos em condições de opinar, de advertir e de aconselhar sobre essas questões, pertinentes não só ao vosso país, mas a todo o mundo. No campo das parcerias há um assunto bastante controverso, que gostaria de abordar hoje, aqui, convosco. Trata‐se do tema da homossexualidade1. Não sei se têm noção de que a polémica relacionada com a aceitação/rejeição da homossexualidade, por parte da comunidade e, por vezes, até por parte dos próprios homossexuais (masculinos e femininos), decorre do estado de subdesenvolvimento em que a humanidade ainda se encontra. Só uma civilização extremamente preconceituosa tem de lidar com este tipo de questão, que tanto sofrimento causa, que tanta exclusão promove, que tanta morte desencadeia.
Como já deveria ser sobejamente sabido, importa pouco a forma como qualquer ser humano manifesta a sua necessidade de partilhar a vida com outro ser humano. O que interessa, sim, é a forma como as matrizes do Masculino e do Feminino estão, mais ou menos equilibradas, dentro dele mesmo. Esse é o ponto fulcral da questão, aquele em que todos os que estão a ouvir, assim como os que irão ler a transcrição do que está a ser dito, deverão investir. Ao investirem no equilíbrio das matrizes do Masculino e do Feminino internamente, estarão a contribuir para deixarem de ser tão preconceituosos em relação à homossexualidade e outros temas controversos.
O que interessa não é tanto se uma pessoa forma uma parceria com outra do mesmo género ou de género diferente, mas sim o estado interior em que ambos se encontram. E o preconceito decorre, exactamente, de homossexuais, heterossexuais e outros, não disporem de equilíbrio ao nível do seu Masculino e do seu Feminino. Se essas matrizes estivessem devidamente equilibradas, não seriam preconceituosos e, portanto, a questão da homossexualidade – assim como tantas outras que vos desvairam ‐, não existiria. Se observarmos o tema de forma objectiva, o que é que interessa ao fulano A ou ao fulano B, que o fulano C tenha uma relação com um indivíduo do mesmo género? Acaso vem algum mal ao mundo? Acaso prejudicam alguém? Acaso morre alguém ou se incrementa a fome e pobreza por causa disso Não. Fome e pobreza têm sido incrementadas, bastas vezes, por aceitarem que alguém partilhe a sua vida com alguém do mesmo género! Acaso os homossexuais, masculinos e femininos, fazem má vizinhança? Não. Com a sua escolhe livre e legítima, apenas se limitam a «ofender» uma certa formatação moral, ultrapassada e obsoleta, que continua a ser propagandeada por instituições religiosas e pelos que a elas estão ligados. É aí, sim, que vamos encontrar a verdadeira origem da intolerância, exercida sobre quem, segundo esses, tem o descaramento de viver a sua sexualidade fora da lei que eles preconizaram como sendo a correcta. Ou seja, a exclusão não decorre de nenhum dado objectivo, mas sim de conceitos duvidosos, estabelecidos por quem se faz passar por detentor da verdade. Mas que raio de verdade é esta, tão estranha, preconizada, defendida e praticada por aqueles que sempre se anunciaram como os representantes de Deus e na Terra? Não deveriam ser eles, bem ao invés, os promotores da aceitação, da compreensão e do Amor incondicional?
O que espanta, desde a dimensão em que me encontro, é verificar, não o absurdo deste tipo de posturas, mas sim a sua aceitação por parte daqueles inúmeros indivíduos que se mostram cegos e sem o mínimo de discernimento para avaliar conceitos morais baseados naquilo que, supostamente, Deus quer? Mas, ao segregarem tão despudoradamente, que sabem eles de Deus? Quem os designou representantes de Deus na Terra? Acaso não se autoproclamaram, desvirtuando a Verdade? Portanto, a questão dos homossexuais, ou de qualquer outro grupo segregado, é uma falsa questão, derivada da ignorância em que a humanidade vive atolada. Dificilmente estas manifestações de tacanhez serão ultrapassados rapidamente, é certo. Mas cabe a cada um arejar a sua própria mentalidade, no sentido de sair desse redil onde se reúne a manada dos que alinham com aquilo que lhes impingem, sem qualquer espírito crítico. Não há maior sinal de subdesenvolvimento do que excluir um irmão ou uma irmã, com base na sua opção sexual, na sua cor de pele, na raça em que nasceu, etc. Como querem vocês ser integrados em comunidades mais vastas, para além da Terra, se nem com os que estão ao vosso lado conseguem entender‐se?

Eu pertenço a uma civilização extraterrestre que há muito ultrapassou essas questões, com que vocês se debatem agora. Há muito estamos ao serviço da humanidade, sem violar as leis que regem a civilização do Projecto Terra. Ou seja, respeitamos incondicionalmente o livre arbítrio humano. Ora, se o livre arbítrio da esmagadora maioria aponta para a permanência no subdesenvolvimento, nós aceitamos. Aceitamos porque temos de aceitar, mas não nos inibimos de chamar a atenção para a profunda estupidez e renitência que a humanidade, genericamente entendida, tem vindo a demonstrar ao longo da sua história, recusando‐se a sair do lodaçal onde se encontra. Nós somos Servidores do Plano, mas não estamos cegos para o subdesenvolvimento da humanidade. Cabe‐nos a nós, entre outros, chamar‐vos a atenção, veementemente, para essa
teimosia absurda. Pena é que as nossas advertências não sejam atendidas em maior escala. Não é que estejamos cansados de andar, há milhões de anos, a ajudar a humanidade. Não se trata disso. Trata‐se, apenas, de «frustração cósmica» por vermos como é enorme a vossa resistência em sair dos subterrâneos onde se meteram. Permaneceremos aqui enquanto houver a aquiescência dos Planos Superiores. Mas não deixa de ser lamentável ‐ e talvez sejamos dos poucos a manifestar esse lamento ‐, a forma displicente com que vocês, humanos, ignoram as nossas sugestões, a nossa ajuda, as nossas advertências, as nossas dádivas. Mas essa é a vossa escolha. Essa é a forma como utilizam o livre arbítrio e, por isso, os respeitamos. Continuaremos, paulatinamente, a transmitir o que temos para transmitir e a cumprir a nossa missão da melhor maneira possível, esperando que vocês se comportem exactamente da mesma maneira. Vamos ver até quando teremos de esperar.

Ao ouvirem estas palavras e este tom, talvez não encontrem grandes diferenças em relação aos termos e ao tom, usados por este canal ao longo do dia. Pois é! Não tenho feito outra coisa, hoje, se não clamar perante vocês. Este canal não está a dar‐me voz por ser um mero arauto do que canaliza, porque ele é uma projecção minha na dimensão física a Terra. Portanto, estamos perfeitamente alinhados. O que ele aqui disse, durante o seminário, de olhos bem abertos, pode parecer que é da sua autoria, mas não é. Fiquem sabendo que ele não se sente compulsivamente impelido, só porque está a canalizar, a dizer o que não sente ou aquilo com que não concorda. Nesse aspecto, as nossas vontades estão perfeitamente alinhadas. Digamos que eu e ele somos um!
Muito obrigado e até uma próxima oportunidade.

Esmeralda Rios:
A missão de Portugal
Neste contexto de mudança e transformação, consciente ou inconsciente por parte da humanidade, cumpre‐me dar‐vos alguma informação referente àquilo que referem como «missão de Portugal». O vosso país, enquanto unidade vibracional, existe para além do seu espaço físico. E sempre foi um veículo de expressão da energia de sustentação fomentada pela Matriz do Feminino. Esta manifestação teve várias expressões através de algumas figuras da vossa história. Desde o início e até hoje, Portugal sempre cumpriu uma função muito específica. Na verdade, às vicissitudes históricas, reconhecidas pelos estudiosos, deve acrescentar‐se a função de sustentação e de amparamento, um pouco mais controversa, alimentada, por exemplo, pelo vórtice energético situado na zona onde ergueram o chamado Santuário Mariano (Fátima).
As missões e as tarefas espirituais, meus caros humanos, não têm de estar ligadas à notoriedade ao destaque, através da concretização de acções plenas de conhecimento e de sabedoria. A Terra emana uma determinada vibração ou faz um apelo específico, e os seres que nela habitam, cujos corações estão alinhados com o planeta e com os ditos Planos Superiores, limitam‐se a responder concretizando acções. E essas respostas, no seu cômputo geral, mais não servem do que concretizar, na dimensão física, os itens da missão de Portugal.
Nos tempos que se avizinham, muitos vão ser chamados a realizar pequenos projectos. Mas vai ser necessário recolhimento, sobriedade, clareza, capacidade interventiva, subtileza e discrição. Não há eficácia da acção sem estas premissas. Mas nem tudo o que farão será claramente «espiritual». Na verdade, nem tudo o que leva o rótulo «espiritual» serve a Espiritualidade, assim como nem tudo o que parece estar desprovido de «espiritualidade» é puramente material. Portanto, estejam atentos e sigam os impulsos dos vossos corações, porque a teia humana está a organizar‐se para poder concretizar o que é preciso fazer. Muitas pessoas virão viver para este país, para ajudarem a concretizar o que há para fazer. E muitas outras, que aqui vivem, irão deslocar‐se para o estrangeiro a fim de levarem a vibração de Portugal para os seus países de acolhimento, como fizeram, aliás, no passado. Se os mares já foram o vosso meio de expansão, nesta fase eles serão uma das vossas ferramentas de trabalho. (Perceberão, mais tarde, o que eu quero dizer com isto.) Os alicerces das transformações económicas, políticas e sociais dos próximos dez ou vinte anos, têm de ser preparados agora. Assim, deixem‐se conduzir, sem loucura espiritual ou humana, deixando de lado o ideal de projectos megalómanos. Façam o que têm a fazer para que a base da nova estrutura possa ser estabilizada.
Esta é informação geral, necessária para o momento. Quem está nesta sala e quem vier a ler esta informação, saberá, no tempo certo, o seu significado mais profundo. Manifestamo‐nos aqui, hoje, porque importa sublinhar a importância da tarefa de Portugal, que nada tem de messiânica; a missão de Portugal caracteriza‐se, essencialmente, por dar a sustentação vibracional necessária a Acções Maiores. Assim sendo, todos poderão contribuir, directa ou indirectamente, individual ou em grupo. Saberão como, em seu devido tempo. Muito obrigado."

Saturday, July 24, 2010

24 de Julho - Dia da minha Terra - Lourenço Marques

Em homenagem aqui fica um poema de um Moçambicano, Virgilio de Lemos que encontrei no universo net:


"A Ilha e e o Segredo

Visão
colada à bruma
no infinito ponho
do rosto do eterno
a transparência Persa negro e branco
cabaias e cofiós
de seda e linho,
em pontilhado, aurora
minha utopia que sangra.

Nos mármores róseos
da fortaleza
tua consciência, livre
recria o nada.

(1952)"

João 14

" Jesus é o caminho que leva ao Pai

Jesus continuou dizendo: «Não fique perturbado o vosso coração. Acreditai em Deus e acreditai também em Mim. Existem muitas moradas na casa de meu Pai. Se não fosse assim, Eu vo-lo teria dito, porque vou preparar-vos um lugar. E quando Eu for e vos tiver preparado um lugar, voltarei e levar-vos-ei comigo, para que onde Eu estiver, vós estejais também. E para onde Eu vou, vós já conheceis o caminho». Tomé disse a Jesus: «Senhor, não sabemos para onde vais; como podemos conhecer o caminho?» Jesus respondeu: «Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por Mim. Se Me conheceis, conhecereis também o meu Pai. Desde agora O conheceis e já O vistes».
Filipe disse a Jesus: «Senhor, mostra-nos o Pai e isso nos basta». Jesus respondeu: «Há tanto tempo que estou no meio de vós e ainda não Me conheces, Filipe? Quem Me viu, viu o Pai. Como é que dizes: "Mostra-nos o Pai"? Não acreditas que Eu estou no Pai e que o Pai está em Mim? As palavras que vos digo, não as digo por Mim mesmo, mas o Pai que permanece em Mim, Ele é que realiza as suas obras. Acreditai em Mim: Eu estou no Pai e o Pai está em Mim. Acreditai nisto, ao menos por causa destas obras. Eu vos garanto: quem acredita em Mim fará as obras que Eu faço, e fará ainda maiores do que estas, porque Eu vou para o Pai. O que pedirdes em meu nome, Eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho. Se pedirdes qualquer coisa em meu nome, Eu o farei».

O Espírito Santo continua a obra de Jesus

«Se Me amais, obedecereis aos meus mandamentos. Então Eu pedirei ao Pai e Ele dar-vos-á outro Advogado, para que permaneça convosco para sempre. Ele é o Espírito da Verdade, que o mundo não pode acolher, porque não O vê, nem O conhece. Vós conhecei-l'O, porque Ele mora convosco e estará convosco.
Não vos deixei órfãos, mas voltarei para vós. Mais um pouco, e o mundo não Me verá, mas vós ver-Me-eis, porque Eu vivo, e também vós vivereis. Nesse dia conhecereis que Eu estou em meu Pai, vós em Mim e Eu em vós. Quem aceita os meus mandamentos e lhes obedece, esse é que Me ama. E quem Me ama será amado por meu Pai. Eu também o amarei e manifestar-Me-ei a ele».
Judas, não o Iscariotes, perguntou: «Senhor, porque vais manifertar-Te a nós e não ao mundo?» Jesus respondeu: «Se alguém Me ama, guarda a minha palavra e meu Pai o amará. Eu e meu Pai viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não Me ama não guarda as minhas palavras. E a palavra que ouvis não é minha, mas é a palavra do Pai que Me enviou. Estas são as coisas que tinha para vos dizer estando ainda convosco. Mas o Advogado, o Espírito Santo, que o Pai vai enviar em meu nome, Ele ensinar-vos-á todas as coisas e vos fará recordar tudo o que Eu vos disse».

A paz que só Jesus pode dar

«Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz. A paz que vos dou não é a paz que o mundo dá. Não fiqueis perturbados, nem tenhais medo. Ouvistes o que vos disse: "Eu vou, mas voltarei para vós". Se Me amásseis, alegrar-vos-íeis porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que Eu. Digo-vos isto agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis. Já não tenho muito tempo para falar convosco, pois o príncipe deste mundo vai chegar. Ele não tem poder sobre Mim, mas vem para que o mundo reconheça que amo o Pai, e é por isso que faço tudo o que o Pai Me mandou. Levantai-vos. Vamos sair daqui»."

Friday, July 23, 2010

Salmo 27 - De quem terei medo?

"Javé é a minha luz e salvação:
de quem terei medo?
Javé é a fortaleza da minha vida:
frente a quem tremerei?
Quando os malfeitores avançam contra mim
para devorar a minha carne,
são eles, meus adversários e inimigos,
que tropeçam e caem.
Que um exército acampe contra mim!
O meu coração não tremerá!
Ainda que uma guerra se levante contra mim,
mesmo assim estarei confiante!

Uma coisa peço a Javé,
e só ela procuro:
é habitar a Casa de Javé
todos os dias da minha vida,
para gozar a doçura de Javé
e contemplar o seu Templo.
Pois Ele oculta-me na sua tenda,
no dia da infelicidade;
Ele esconde-me no segredo da sua tenda,
e eleva-me sobre uma rocha.

Agora a minha cabeça se levanta
sobre os inimigos que me cercam.
Na tenda de Javé vou oferecer
sacríficios da aclamação.
vou cantar, vou tocar
em honra de Javé!

Javé, escuta o meu grito de apelo,
tem piedade, responde-me!
Ouço no meu coração:
«Procurai a minha face!»
- É a tua face que eu procuro, Javé.
Não me escondas a tua face.
Não afastes o teu servo com ira,
pois Tu és o meu socorro!
Não me deixes, não me abandones,
Deus meu salvador!
Meu pai e minha mãe abandonaram-me.
Javé, porém, acolhe-me!

Ensina-me o teu caminho, Javé!
Guia-me pela vereda plana,
por causa daqueles que me espreitam.
Não me entregues à vontade dos meus adversários,
pois contra mim falsas testemunhas se levantam,
respirando a violência.
Espero ter bondade de Javé
na terra dos vivos.
- Espera em Javé, sê firme!
Fortalece o teu coração, e confia em Javé!"

Be prepared, be very prepared

Para todas as bruxas e aprendizes de feitiçeira que me tentaram prejudicar a mim e à minha família aconselho vivamente que se entreguem à Luz/Amor/Compaixão/Sabedoria pois começarão agora a receber de volta tudo aquilo que encomendaram.

E para ti, que sabes muito bem com quem falo. Tu que tentaste terminar com a minha própria vida, depois de tudo o que fiz por ti, só um conselho: Nunca mais tentes atravessar-te no meu caminho e prepara-te bem - nada é mais forte que o AMOR - ou te entregas agora à LUZ ou vais receber tudo de volta e com a força que sabes que tens!

Isto não é uma ameaça, é a Lei de Deus. E eu enviei-vos de volta, com um único objectivo: desafio de crescimento.

Romanos 8

"Ninguém pode impedir o projecto de Deus

O que nos resta dizer? Se Deus está a nosso favor, quem estará contra nós? Ele não poupou o seu próprio Filho, mas entregou-O por todos nós. Como não havia de dar também todas as coisas com o seu Filho? Quem acusará os escolhidos de Deus? É Deus quem torna justo! Quem condenará? Jesus Cristo? Ele que morreu, ou melhor, que ressuscitou, que está à direita de Deus e intercede por nós?

Quem nos poderá separar do amor de Cristo? A tribulação, a angústia, a perseguição, a fome, a nudez, o perigo, a espada? Como diz a Escritura: «Por tua causa somos entregues à morte o dia inteiro, somos considerados como ovelhas destinadas ao matadouro». Mas, em todas estas coisas somos mais do que vencedores por meio d'Aquele que nos amou. Estou convencido de que nem a morte nem a vida, nem os anjos nem os principados, nem o presente nem o futuro, nem os poderes nem as forças das alturas ou das profundidades, nem qualquer outra criatura, nada nos poderá separar do amor de Deus, manifestado em Jesus Cristo, nosso Senhor."

Thursday, July 22, 2010

Em homenagem ao Dia de Sta.Maria Madalena

"(...) a matéria será então destruída, ou não?
O Salvador disse:
«Toda a natureza, todas as formações, todas as criações
subsistem uma na outra e uma com a outra
e serão novamente dissolvidas nas suas próprias raízes
porque a Natureza da matéria dissolve-se
somente nas coisas que pertencem à sua Natureza:
Quem tem ouvidos para ouvir, ouça».
Pedro disse-Lhe: «Já nos referiste todas as coisas,
dizei-nos também esta: o que é o pecado do mundo?»
O Salvador disse:
«Não exsite nenhum pecado, mas sois vós que cometeis
o pecado
quando cometeis coisas
que pertencem à natureza própria do adultério
que é chamado o pecado.
Por isso o Bom veio para o meio de vós,
para quantos estão em harmonia com toda a Natureza
para restituí-la à sua raiz».
Ele prosseguiu dizendo:
«Por isso adoeceis e morreis, porque (...)

(...Quem) puder entender, entenda.
(A matéria gerou um sofrimento)
que não tem igual, dado que procedeu de uma natureza
oposta.
Desde então surgiu a desordem em todo o corpo.
Por isso vos disse:
«Sede um só coração e sede sem misturas,
pois vós sois uma só coisa
em relação às diversas formas da Natureza.
Quem tem ouvidos para ouvir, ouça».
Quando o Bem-aventurado disse estas coisas
abraçou-os a todos, dizendo:
«A paz esteja convosco. Gerai vós mesmos a minha paz.
Cuidai que ninguém vos seduza,
dizendo: "Ei-Lo aqui!" , "Ei-Lo acolá".
porque o Filho do Ser humano está no vosso íntimo,
segui os seus passos. Os que O procuram, encontrá-Lo-ão.
Ide pois e anunciai o Envangelho do Reino.

Não estabeleçais regra alguma, senão aquelas que Eu
estabeleci para vós
e não promulgueis nenhuma lei como legisladores,
para que não fiqueis prisioneiros da mesma».
Depois de ter dito estas coisas, Ele partiu.
Mas eles, tristes como estavam, choraram muito,
dizendo:

«Como iremos a todas as nações
e como anunciaremos o Envangelho do Reino do Filho
do Ser humano? Se não O pouparam a Ele,
como farão a poupar-nos a nós?»
Então Maria levantou-se, abraçou-os a todos
e disse aos seus irmãos:
«Não choreis e não fiqueis tristes.
E não formeis dois corações,
porque a sua graça estará com todos vós
e vos protegerá.
Louvemos antes a sua grandeza,
porque Ele nos preparou,
Ele fez de nós Seres humanos».
Quando Maria acabou de dizer estas coisas,
encaminhou os seus corações para o íntimo deles
e eles começaram a pôr em prática
as palavras do (Salvador).

Pedro disse a Maria:
«Irmã, nós sabemos que o Salvador te amava mais
que às outras mulheres.
Diz-nos as palavras do Salvador que recordas,
essas coisas que tu conheces e nós não,
as que nós nunca sequer ouvimos».
Maria respondeu e disse:
«O que para vós está escondido, eu vo-lo contarei».
E ela começou a dizer-lhes estas palavras:
«Eu - disse ela - vi o Senhor numa visão e disse-Lhe:
"Senhor, hoje eu vi-Vos numa visão".
Ele respondeu-me e disse:
"Bendita és tu, porque não ficas perturbada
quando Me vês.
Porque onde está o intelecto (nous),

aí está o tesouro".
Eu disse-Lhe: "Pois bem, Senhor, aquele que vê a visão,
vê-a com a alma (psyque)
ou com o espírito (pneuma)?"
O Salvador respondeu, Ele disse:
"Ele não vê nem com a alma nem com o espírito,
mas com o intelecto, que (está) no meio dos dois,
isto é (aquilo que) vê a visão e o que é..."

(...) ele, e a Concupisciência disse:
"Eu não te vi quando te dirigias para a terra,
mas agora vejo-te quando te diriges para o Céu.
Como podes enganar(-me) quando me pertences?"
A alma respondeu, dizendo:
"Eu vi-te, tu não me viste
e não me notaste.
Eu servi-te de veste e não me reconheceste".
Quando acabou de dizer estas palavras,
ela partiu exultando em voz alta.
De novo ela aproximou-se do terceiro poder
Que tem por nome Ignorância.
(Ela) interrogou a alma, dizendo:
"Para onde vais?
Devido à maldade foste mantida prisioneira.
Sim, foste mantida prisioneira. Não julgues".
E a alma disse:
"Porque me julgas, quando eu não julguei?
Eu fui mantida prisioneira
porque não prendi ninguém.
Eu não sou reconhecida, mas reconheci
que o Todo se está dissolvendo,
tanto as coisas terrestres como as coisas celestes".

Quando a alma se libertou do terceiro poder,
subiu ao Céu e viu o quarto poder.
Este tomou sete formas.
A primeira forma corresponde às Trevas,
e a segunda é a Concupisciência,
a terceira a Ignorância, a quarta o Ciúme da morte,
a quinta o Reino da carne,
a sexta a Insensata erudição carnal,
a sétima a Sabedoria irritadiça.
Estes são os sete (pode)res da Ira.
Eles perguntam à alma:
"De onde vens, assassina dos seres humanos?"
Ou então: "Em que direcção te encaminhas,
tu que ultrapassas os espaços?"
A alma respondeu, dizendo:
"Aquele que me mantém prisioneira está trespassado
e aquele que me rodeia está vencido.
E a minha concupisciência terminou
e a ignorância pereceu.
Num mundo por um mundo fui libertada,

e num modelo por um modelo
que está no Céu.
E pela cadeia do ódio que é passageira.
Daqui em diante receberei o repouso
- no tempo do momento decisivo do eon -
em silêncio"».
Quando Maria acabou de dizer estas coisas,
fechou a boca,
porque o Salvador tinha falado com ela até aqui.
Então André respondeu, dizendo aos irmãos:
«Dizei-me: que quereis dizer acerca das coisas
que ela disse?
Eu, pelo menos, não acredito
que o Senhor tenha dito estas coisas.
Porque estas doutrinas parecem ser ideias estranhas».
Pedro respondeu e falou sobre estes mesmos assuntos.
Reflectiu acerca do Salvador:
«Acaso Ele falou em segredo com uma mulher,
não abertamente, sem que nós o soubéssemos,
para que nós mudássemos de opinião
e todos lhe prestássemos atenção?
Acaso
Ele a preferiu a nós?»

Então Maria chorou e disse a Pedro:
«Pedro, meu irmão, que é que estás pensando?
Achas que eu pensei estas coisas sozinha,
no meu coração,
ou que esteja enganando o Salvador?»
Levi respondeu, dizendo a Pedro:
«Pedro, tu és sempre impulsivo.
Agora vejo-te enquanto discutes com a mulher
como esses adversários.
Se o Salvador a tornou digna,
quem és tu para a repelires?
Sem dúvida, o Salvador conhece-a a fundo.
Por isso Ele a amou mais do que a nós.
Devemos antes envergonhar-nos
e revestir-nos do Ser humano perfeito.
Devemos gerá-Lo a Ele através de nós
como Ele nos mandou.
Devemos anunciar o Envangelho
sem estabelecer nenhum outro mandamento
nem nenhuma outra lei, além da que nos disse
o Salvador».

Depois de Levi ter dito estas palavras,
puseram-se a caminho para anunciar e proclamar.
O Envangelho
segundo
Maria."

Wednesday, July 21, 2010

Mateus 6

A escolha fundamental

"Não acumuleis riquezas aqui na Terra, onde a traça e a ferrugem corroem, e onde os ladrões assaltam e roubam. Acumulai riquezas no Céu, onde nem a traça nem a ferrugem corroem, e onde os ladrões não assaltam nem roubam. De facto, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.

A lâmpada do corpo é o olho. Se o olho é são, o corpo inteiro fica iluminado. Se o olho está doente, o corpo inteiro fica na escuridão. Assim, se a luz que existe em ti é escuridão, como será grande a escuridão!
Ninguém pode servir a dois senhores. Porque, ou odiará a um e amará o outro, ou será fiel a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas."

A busca fundamental

"Por isso é que Eu vos digo: não fiqueis preocupados com a vida, com o que comer; nem com o corpo, com o que vestir. Afinal, a vida não vale mais do que o alimento? E o corpo não vale mais do que o vestuário? Olhai os pássaros do céu: eles não semeiam, não colhem, nem juntam em armazéns. No entanto, o Pai que está no céu alimenta-os. Será que não valeis mais do que os pássaros? Quem de vós pode crescer um só centímetro, à custa de se preocupar com isso? E porque vos preocupais com o vestuário? Olhai como crescem os lírios do campo: eles não trabalham nem fiam. Porém, Eu digo-vos: nem o rei Salomão, em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles. Ora, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é queimada no fogo, muito mais Ele fará por vós, gente de pouca fé!

Portanto, não fiqueis preocupados dizendo: Que vamos comer? Que vamos vestir? Os pagãos é que procuram essas coisas. O vosso Pai que está no Céu, sabe que precisais de tudo isso. Pelo contrário, em primeiro lugar buscai o Reino de Deus e a sua justiça, e Deus vos dará, em acréscimo, todas essas coisas. Portanto, não vos preocupeis com o dia de amanhã, pois o dia de amanhã terá as suas preocupações. Basta a cada dia a própria dificuldade."

Tuesday, July 20, 2010

Salmo 51 - Do mundo do pecado para o reino da graça

"Tem piedade de mim, ó Deus, pelo teu amor!
Pela tua grande compaixão, apaga a minha culpa!
Lava-me da minha injustiça
e purifica-me do meu pecado!

Porque eu reconheço a minha culpa,
e o meu pecado está sempre na minha frente;

pequei contra Ti,
praticando o que é mau aos teus olhos.
Tu és justo, portanto, ao falar,
e, no julgamento, serás o inocente.
Eis que eu nasci na culpa,
e a minha mãe já me concebeu pecador.
Tu amas o coração sincero,
e, no íntimo, ensinas-me a sabedoria.
Purifica-me com o hissopo, e ficarei puro.
Lava-me, e ficarei mais branco do que a neve.
Faz-me ouvir o júbilo e a alegria,
e que se alegrem os osssos que esmagaste.
Esconde dos meus pecados a tua face,
e apaga toda a minha culpa.

Ó Deus, cria em mim um coração puro,
e renova no meu peito um coração firme.
Não me rejeites para longe da tua face,
não retires de mim o teu santo espírito.
Devolve-me o júbilo da tua salvação,
e que um espírito generoso me sustente.
Vou ensinar os teus caminhos aos culpados,
e os pecadores voltarão para Ti.

Livra-me do sangue, ó Deus,
ó Deus, meu salvador!
E a minha língua cantará a tua justiça.
Senhor, abre os meus lábios,
e a minha boca anunciará o teu louvor.
Pois tu não queres sacrifício,
e nenhum holocausto Te agrada.
O meu sacrifício é um espírito contrito.
Um coração contrito e esmagado
Tu não o desprezas.

Favorece Sião, por tua bondade,
reconstrói as muralhas de Jerusalém.
Então aceitarás os sacrifícios rituais,
ofertas totais e holocaustos,
e no teu altar se imolarão novilhos."

Salmo 50 - Deus não é cúmplice da injustiça

"Javé, o Deus dos deuses, fala,
convocando a terra, do Nascente ao Poente.
De Sião, a formosa, Deus resplandece:
o nosso Deus vem, e não vai calar-Se.
À sua frente, vem um fogo devorador,
e, ao seu redor, tempestade violenta.
Do alto Ele convoca Céu e Terra
para julgar o seu povo:
»Reuni junto de mim os meus fiéis,
que selaram a minha aliança com sacrifício!»
Que o Céu proclame a sua justiça,
pois o próprio Deus vai julgar.
»Ouve, meu povo, que Eu vou falar-te,
Israel, Eu vou testemunhar contra ti.
Eu sou Deus, o teu Deus!
Não te acuso pelos teus sacrifícios,
porque os teus holocaustos estão sempre diante de Mim.
Porém, não vou tomar nenhum novilho da tua casa,
e nem sequer um cabrito dos teus currais;
pois são minhas todas as feras da selva,
e os animais das montanhas aos milhares.
Conheço todos os pássaros do céu,
e os rebanhos dos campos Me pertencem.
Se eu tivesse fome, não to diria a ti,
pois o mundo é meu, e tudo o que nele existe.
Acaso Eu comeria carne de touros,
ou beberia sangue de cabritos?
Oferece a Deus um sacrifício de confissão,
e cumpre os teus votos ao Altíssimo.
Invoca-me no dia da angústia:
Eu te livrarei, e tu Me glorificarás».

Ao injusto, porém, Deus declara:
»De que adianta tu recitares os meus preceitos
e teres sempre na boca a minha aliança,
se detestas a disciplina
e rejeitas as minhas palavras?
Se vês um ladrão, tu acompanha-lo
e misturas-te com os adúlteros.
Soltas a tua boca para o mal,
e os teus lábios tramam a fraude.
Sentas-te para falar contra o teu irmão
e desonras o filho de tua mãe.
Comportas-te assim, e Eu devo calar-Me?
Imaginas que Eu seja como tu?
Eu te acuso e coloco tudo diante dos teus olhos!»

Considerai isto, vós que vos esqueceis de Deus.
Senão, Eu vou dilacerar-vos, e ninguém vos libertará!
Quem me oferece um sacrifício de confissão
glorifica-me;
e a quem segue o bom caminho,
Eu mostrarei a salvação de Deus."

Monday, July 19, 2010

Dez Mandamentos Seculares

"DOMINE sua fala. Diga sempre menos do que pensa. Cultive uma voz baixa e suave.

PENSE ... antes de fazer uma promessa e depois não a quebre, não importa o quanto lhe custe cumpri-la.

NUNCA ... deixe passar uma oportunidade para dizer uma coisa meiga e animadora a uma pessoa ou a respeito dela.

TENHA ... interesse nos outros - em suas ocupações, em seu bem-estar, seus lares e família. Seja sempre alegre com os que riem e lamente com os que choram. Aja de tal maneira que as pessoas com quem se encontrar sintam que você lhes dispensa atenção e lhes dá importância.

SEJA alegre. Conserve-se sorrindo. Ria das histórias boas e aprenda a contá-las.

CONSERVE... a mente aberta para todas as questões de discussão. Investigue, mas não argumente. É próprio das grandes mentalidades discordar e ainda conservar a amizade do seu oponente.

DEIXE ... que suas virtudes falem por si mesmas e recuse a falar das faltas e fraquezas dos outros. Condene murmúrios. Faça uma regra de falar só coisas boas dos outros.

TENHA... cuidado com os sentimentos dos outros. Gracejos e críticas não valem a pena e freqüentemente magoam quando menos se espera.

NÃO ... faça questão das observações más a seu respeito. Viva de modo que ninguém as acredite.

NÃO... seja excessivamente zeloso dos seus direitos. Trabalhe, tenha paciência, conserve-se calmo, esqueça-se de si mesmo e receberá a recompensa."

"A passagem do tempo deve ser uma conquista e não uma perda."

Salmo 91 - O justo confia em Deus

"Tu que habitas ao amparo do Altíssimo,
e vives à sombr do Omnipotente,
diz a Javé: «Meu refúgio, minha fortaleza,
meu Deus, eu confio em Ti!»
Ele te livrará do laço do caçador,
e da peste destruidora.
Ele te cobrirá com as suas penas,
e debaixo das suas asas te refugiarás.
O seu braço é escudo e armadura.
Não temerás o terror da noite,
nem a flecha que voa de dia,
nem a epidemia que caminha nas trevas,
nem a peste que devasta ao meio-dia.
Podem cair mil à tua direita,
a ti nada te atingirá.

Basta que olhes com os teus próprios olhos,
para veres o salário dos injustos,
porque fizeste de Javé o teu refúgio
e tomaste o Altíssimo como defensor.
A desgraça jamais te atingirá,
e nenhuma praga vai chegar à tua tenda,
pois Ele ordenou aos seus anjos
que te guardem nos teus caminhos.
Eles levar-te-ão nas mãos,
para que o teu pé não tropece em nenhuma pedra.
Caminharás sobre cobras e víboras,
e pisarás leões e dragões.

»Livrá-lo-ei, porque a Mim se apegou.
Protegê-lo-ei, pois conhece o meu Nome.
Ele invocar-Me-á, e Eu responderei.
Na angústia estarei com ele.
Hei-de livrá-lo e glorificá-lo.
Vou saciá-lo com longos dias
e far-lhe-ei ver a minha salvação"

Tuesday, July 13, 2010

1a marcação de território


:) sente-se em casa

Monday, July 12, 2010

...


Quando me amei de Verdade - by Charlie Chaplin

"Quando me amei de verdade, compreendi que em qualquer circunstância
eu estava no lugar certo, na hora certa, no momento exato.
E, então, pude relaxar.
Hoje sei que isso tem nome…
Autoestima.

Quando me amei de verdade, pude perceber que minha angústia e meu sofrimento emocional, não passam de um sinal de que estou indo contra minhas verdades.
Hoje sei que isso é…
Autenticidade.

Quando me amei de verdade, parei de desejar que minha vida fosse diferente e comecei a ver que tudo o que acontece contribui para meu crescimento.
Hoje chamo isso de…
Amadurecimento.

Quando me amei de verdade, comecei a perceber como é ofensivo forçar alguma situacão ou alguém, inclusive a mim mesmo, sòmente para realizar aquilo que desejo, mesmo sabendo que não é o momento ou que a pessoa não está preparada.
Hoje sei que o nome disso é…
Respeito.

Quando me amei de verdade, comecei a me livrar de tudo que não fosse saudável… Pessoas, tarefas, toda e qualquer coisa que me pusesse para baixo.
Inicialmente, minha razão chamou a essa atitude de egoísmo.
Hoje sei que isso se chama…
Amor próprio.

Quando me amei de verdade, deixei de temer meu tempo livre, desistí de fazer grandes planos e abandonei os projetos megalômanos para o futuro.
Hoje faço o que acho certo, o que gosto, quando quero e no meu próprio ritmo.
Hoje sei que isso é…
Simplicidade.

Quando me amei de verdade, desistí de querer ter sempre razão e, dessa maneira, errei menos.
Hoje descobri a…
Humildade.

Quando me amei de verdade, desisti de ficar revivendo o passado e de me preocupar com o futuro.

Agora, mantenho-me no presente,
que é onde a vida acontece.

Hoje vivo um dia de cada vez.
Isso é…
Plenitude.

Quando me amei de verdade, percebi que a minha mente pode atormentar-me e decepcionar-me. Mas, quando a coloco a serviço do meu coração, ela se torna uma grande e valiosa aliada.
Tudo isso é…
SABER VIVER!"


“Não devemos ter medo dos
confrontos… até os planetas se
chocam e do caos nascem as estrêlas”

Sunday, July 11, 2010

Olha quem chegou :-)




Saturday, July 10, 2010

Pearl Jam @ alive


:)

Friday, July 09, 2010

Alive



Thursday, July 08, 2010

Salmo 23 - Deus hospeda o perseguido

"Javé é o meu pastor.
Nada me falta.
Em verdes pastagens me faz repousar;
para fontes tranquilas me conduz,
e restaura as minhas forças.
Ele me guia por bons caminhos,
por causa do seu Nome.
Embora eu caminhe por um vale tenebroso,
nenhum mal temerei, pois estás junto a mim;
o teu bastão e o teu cajado deixam-me tranquilo.
Diante de mim preparas a mesa,
à frente dos meus opressores;
unges a minha cabeça com óleo,
e a minha taça transborda.
Sim, felicidade e amor me acompanham
todos os dias da minha vida.
A minha morada é a casa de Javé,
por dias sem fim."

Tuesday, July 06, 2010

Reflexões à beira mar



Monday, July 05, 2010

Cântico dos Cânticos - O Mistério do Amor

1 Título - O mais belo cântico de Salomão.

Beijos

A amada: Beija-me com os beijos da tua boca!
Os teus amores são melhores do que o vinho,
o odor dos teus perfumes é suave,
o teu nome é como óleo perfumado a escorrer,
e as donzelas enamoram-se de ti...

Arrasta-me contigo, corramos!
Leva-me, ó rei, aos teus aposentos,
e exultemos! Alegremo-nos em ti!
Mais que ao vinho, celebremos os teus amores!
Com razão se enamoram de ti...

Busca e galanteio

A amada: Sou morena, mas formosa,
ó filhas de Jerusalém,
como as tendas de Cedar
e os pavilhões de Salma.
Não repareis na minha tez morena:
foi o sol que me queimou.
Os filhos da minha mãe
Voltaram-se contra mim,
Obrigaram-me a guardar as vinhas,
e a minha vinha, a minha...
não a pude guardar.
Avisa-me, amado da minha alma,
onde apascentas e fazes descansar
o rebanho ao meio-dia,
para que eu não ande vagueando perdida
entre os rebanhos dos teus companheiros.

Coro: Se não o sabes,
ó mais bela das mulheres,
segue o rasto das ovelhas
e leva as cabras a pastar
junto das tendas dos pastores.

O amado: Minha amada,
eu comparo-te
à égua atrelada ao carro do Faraó!
Que beleza as tuas faces entre os brincos,
o teu pescoço, com colares!
Faremos para ti brincos de ouro
cravejados de prata.

Dueto: - Enquanto o rei está no seu divã,
o meu nardo difunde seu perfume.
Um saquinho de mirra
é para mim o meu amado,
repousando entre os meus seios.
O meu amado é para mim
um cacho de cipro florido
entre as vinhas de Engadi.
- Como és bela, minha amada,
como és bela!...
Os teus olhos são pombas.
- Como és belo, meu amado,
e que doçura!
O nosso leito é todo relva.
-As vigas da nossa casa são de cedro,
e seu tecto, de cipreste.

2 - Sou um narciso de Saron,
uma açucena dos vales.
- Como açucena entre espinhos
é a minha amada entre as donzelas.
- Macieira entre as árvores do bosque,
é o meu amado entre os jovens;
à sombra dele eu quis sentar-me,
com o seu doce fruto na boca.
Ele levou-me à adega,
e contra mim desfralda
a sua bandeira de amor.
Sustentai-me com bolos de passas,
dai-me forças com maçãs, oh!
que estou doente de amor...
A sua mão esquerda
está sob a minha cabeça,
e com a direita ele me abraça.
- Filhas de Jerusalém,
pelas corças e gazelas do campo,
eu vos conjuro:
não desperteis, não acordeis o amor,
até que ele o queira!

Primavera

A amada: A voz do meu amado!
Ei-lo que vem correndo pelos montes,
saltitando pelas colinas!
O meu amado é como um gamo,
um filhote de gazela.
Ei-lo postando-se
atrás da nossa parede,
espiando pelas grades,
espreitando pela janela.
O meu amado fala, e diz-me:
«Levante-se, minha amada,
formosa minha, vem!
Eis que o inverno já passou!
A chuva já se foi!
As flores florescem na terra,
o tempo da poda está a chegar,
e o canto da rola
já se ouve nos nossos campos.
Despontam figos na figueira
e a vinha florida exala perfume.
Levanta-te, minha amada,
formosa minha, vem!
Pomba minha,
que te aninhas nos vãos do rochedo,
nas fendas dos barrancos...
Deixa-me ver a tua face,
deixa-me ouvir a tua voz,
pois a tua face é tão formosa
e tão doce a tua voz!»
Agarrai as raposas,
as raposas pequeninas
que devastam as nossas vinhas,
as nossas vinhas já floridas!...
O meu amado é meu e eu sou dele,
do pastor das açucenas!
Antes que a brisa sopre
e as sombras desapareçam,
volta! Sê como um gamo, amado meu,
um filhote de gazela
pelas montanhas de Beter.

Busca nocturna

3 No meu leito, pela noite,
procurei o amado da minha alma.
Procurei e não o encontrei!
Vou levantar-me,
vou rondar pela cidade,
pelas ruas, pelas praças,
procurando o amado da minha alma...
Procurei e não o encontrei!...
Encontraram-me os guardas
que rondavam a cidade:
«Vistes o amado da minha alma?»
Passando por eles, contudo,
encontrei o amado da minha alma.
Agarrei-o, e não vou soltá-lo,
até o levar à casa da minha mãe,
ao quarto daquela que me trouxe no seio.

O amado: Filhas de Jerusalém,
pelas corças e gazelas do campo,
eu vos conjuro:
não desperteis, não acordeis o amor,
antes que ele o queira!

Dia do casamento

Coro: Que é isso que sobe do deserto,
como colunas de fumo
perfumado com incenso e mirra,
e perfumes dos mercadores?
É a liteira de Salomão!
Sessenta soldados a escoltam,
soldados escolhidos de todo o Israel.
São todos treinados na espada,
provados em muitas batalhas.
Vêm todos cingidos de espada,
temendo surpresas noturnas.
O rei Salomão
fez para si uma liteira
com madeira do Líbano,
colunas de prata,
encosto de ouro
e assento de púrpura,
e o interior é embutido de ébano.
Ó filhas de Sião,
vinde ver
o rei Salomão,
com a coroa que lhe pôs sua mãe
no dia do casamento,
dia em que seu coração
se enche de alegria.

Revelação da beleza feminina

4 O amado: Como és bela, minha amada,
como és bela!...
São pombas
Os teus olhos escondidos sob o véu.
O teu cabelo... um rebanho de cabras
ondulando nas encostas de Galaad.
Os teus dentes... um rebanho tosquiado
subindo após o banho,
cada ovelha com seus gêmeos,
nenhuma delas sem cria.
Os teus lábios são fita vermelha,
a tua fala melodiosa.
Metades de romã são os teus seios
mergulhados sob o véu.
O teu pescoço é a torre de David,
construída com defesa:
dela pendem mil escudos
e armaduras dos heróis.
Os teus seios são dois filhotes,
filhos gêmeos de gazela,
pastando entre açucenas.

Antes que sopre a brisa
e as sombras se desapareçam,
vou ao monte da mirra,
à colina do incenso.
És bela, minha amada,
e não tens um só defeito!

Vem do Líbano, noiva minha,
vem do Líbano
e entra comigo.
Desce do alto do Amaná,
do cume do Sanir e do Hermon,
esconderijo de leões,
montes onde rondam as panteras.

Roubaste o meu coração,
minha irmã, noiva minha,
roubaste o meu coração
com um só dos teus olhares,
uma volta dos colares.
Como os teus amores são belos,
minha irmã, noiva minha.
Os teus amores são melhores que o vinho,
e mais fino que os outros aromas
é o odor de seus perfumes.
Os teus lábios são favo de mel a escorrer,
ó noiva minha.
Tens leite e mel sob a língua,
e o perfume dos teus vestidos
é como a fragrância do Líbano.

És um jardim fechado,
minha irmã, noiva minha,
um jardim fechado,
uma fonte lacrada.
Os teus rebentos são pomar de romãzeiras
com frutos preciosos:
nardo e açafrão,
canela, cinamomo
e árvores todas de incenso,
mirra e aloés,
e os mais finos perfumes.
A fonte do jardim
é poço de água viva
que jorra, descendo do Líbano!

A amada: Desperta, vento norte!
Aproxima-te, vento sul!
Soprai no meu jardim
para espalhar os vossos perfumes.
Entre o meu amado no seu jardim
e coma de seus frutos saborosos!

5 O amado: Já entrei no meu jardim,
minha irmã, noiva minha,
colhi a minha mirra e o meu bálsamo,
comi o meu favo de mel,
bebi o meu vinho e o meu leite.
Comei e bebei, companheiros,
embriagai-vos, meus caros amigos!

Revelação da beleza masculina

A amada: Eu dormia,
mas o meu coração velava,
e ouvi o meu amado que batia:
«Abre, minha irmã, minha amada,
pomba minha sem defeito!
Tenho a cabeça orvalhada,
os meus cabelos gotejam orvalho!»
«Já despi a túnica,
e vou vesti-la de novo?
Já lavei os meus pés,
e vou sujá-los de novo?»
O meu amado mete a mão
na fenda da porta:
as entranhas estremecem-me,
a minha alma, ao ouvi-lo, desmaia.
Ponho-me de pé
para abrir ao meu amado:
as minhas mãos gotejam mirra,
os meus dedos são mirra a escorrer
na maçaneta da fechadura.

Abro a porta ao meu amado,
mas o meu amado já se tinha ido...
Procuro-o, mas não o encontro.
Chamo-o, e não me responde...
Encontraram-me os guardas
que rondavam a cidade.
Bateram-me, feriram-me
e tomaram-me o manto
as sentinelas das muralhas!

Filhas de Jerusalém,
eu vos conjuro:
se encontrardes o meu amado,
que lhe direis?... Dizei-lhe
que estou doente de amor!

Coro: Que é que o teu amado é mais que os outros,
ó mais bela das mulheres?
Que é que o teu amado é mais que os outros,
para que assim nos conjures?

A amada: O meu amado é branco e rosado
e destaca-se entre dez mil.
A sua cabeça é ouro puro,
uma copa de palmeira os seus cabelos,
negros como o corvo.
Os seus olhos... são pombas
à beira de águas correntes:
elas banham-se no leite
e repousam na margem.
As suas faces são canteiros de bálsamo,
colinas de ervas perfumadas.
Os seus lábios são lírios
com mirra que flui
e se derrama.
Os seus braços são torneados em ouro
incrustado com pedras de Társis.
O seu ventre é um bloco de marfim
cravejado de safiras.
As suas pernas, colunas de mármore
apoiadas em bases de ouro puro.
O seu aspecto é o do Líbano
altaneiro, como um cedro.
A sua boca é muito doce...
Todo ele é uma delícia!
Assim é o meu amigo,
assim o meu amado,
ó filhas de Jerusalém.

6 Coro: Onde anda o teu amado,
ó mais bela das mulheres?
Aonde foi o teu amado?
Nós vamos procurá-lo contigo!
A amada: O meu amado desceu ao seu jardim,
aos terrenos dos balsameiros.
Foi pastorear nos jardins
e colher açucenas.
Eu sou do meu amado,
e o meu amado é meu,
o pastor das açucenas.

Uma só é a minha amada

O amado: És bonita, minha amiga,
és como Tersa,
formosa como Jerusalém.
Tu és terrível como esquadrão
com bandeiras desfraldadas.
Afasta de mim os teus olhos,
que os teus olhos me perturbam!
O teu cabelo é um rebanho de cabras
ondulando nas encostas de Galaad.
Os teus dentes... um rebanho tosquiado
subindo após o banho,
cada ovelha com seus gémeos,
nenhuma delas sem cria.
Metades de romã são os teus seios
Por detrás do véu.
Sejam sessenta as rainhas,
e oitenta as concubinas,
e as donzelas... sem conta:
uma só é a minha pomba
sem defeito,
uma só a preferida
pela mãe que a gerou.
Vendo, as jovens felicitam-na,
e rainhas e concubinas a louvam:
«Quem é esta que desponta
como aurora,
bela como a Lua,
fulgurante como o Sol,
terrível como esquadrão
com bandeiras desfraldadas?»
Desci ao jardim das nogueiras
para ver os rebentos dos vales,
para ver se a videira florescia,
se os botões das romãzeiras se abriam,
e, sem saber como, vi-me sentada
no carro, com o meu príncipe!

Dança e êxtase

Coro: 7 Vira-te, vira-te,
Sulamita.
Vira-te, vira-te...
queremos contemplar-te!

Sulamita: «Que vedes na Sulamita,
quando ela baila entre dois coros?»

O amado: Os seus pés...
como são belos nas sandálias,
ó filhas de nobres!
As curvas dos seus quadris,
que parecem colares,
obras de um artista.
O seu umbigo... essa taça redonda
onde o vinho nunca falta.
O seu ventre, monte de trigo
rodeado de açucenas.
Os seus seios, dois filhinhos,
filhos gémeos de gazela.
O seu pescoço, uma torre de marfim.
Os seus olhos, as piscinas de Hesebon
junto às portas de Bat-Rabim.
O seu nariz, como a torre do Líbano
voltada para Damasco.
A sua cabeça que se alteia como o Carmelo,
e os seus cabelos cor de púrpura,
prendendo um rei nas tranças.

Como és bela,
como és formosa,
que amor delicioso!
Tens o porte da palmeira,
e os teus seios são os cachos.
E eu pensei: «Vou subir à palmeira
para colher dos seus frutos!»
Sim, os teus seios são cachos de uva,
e o sopro das tuas narinas perfuma
como o aroma das maçãs.
A tua boca é um vinho delicioso
que se derrama na minha,
molhando-me lábios e dentes.

O caminho do amor

A amada: Eu sou do meu amado,
o seu desejo trá-lo para mim.
Vem, meu amado,
vamos ao campo,
vamos pernoitar debaixo dos cedros,
madrugar pelas vinhas.
Vamos ver se a vinha floresce,
e se os botões se estão abrindo,
se as romãzeiras estão a florir:
aí te darei o meu amor...
As mandrágoras exalam o seu perfume;
à nossa porta há toda a espécie de frutos:
frutos novos, frutos secos,
que eu guardei para ti,meu amado.

8 Quem me dera que fosses meu irmão,
Amamentado-me aos seios de minha mãe!
Encontrando-te lá fora, beijar-te-ia,
sem ninguém me desprezar.
Eu levar-te-ia e far-te-ia entrar
na casa de minha mãe,
e tu me iniciarias.
Dar-te-ia a beber vinho perfumado
e licor das minhas romãzeiras.

A sua mão esquerda
está sob a minha cabeça,
e a sua direita abraça-me.

O amado: Filhas de Jerusalém,
eu vos conjuro:
não desperteis, não acordeis o amor,
antes que ele o queira!

O mistério do amor

Quem é esta que sobe do deserto
apoiada no seu amado?
Eu te despertarei debaixo da macieira,
onde a tua mãe te concebeu,
concebeu e deu à luz.

A amada: Grava-me,
como selo no teu coração,
como selo nos teus braços;
pois o amor é forte, é como a morte!
Cruel como o abismo é a paixão.
As suas chamas são chamas de fogo,
uma faísca de Javé!
As águas da torrente jamais poderão
apagar o amor,
nem os rios afogá-lo.
Se alguém quisesse dar tudo o que tem
para comprar o amor...
seria tratado com desprezo.

APÊNDICES

O amor não tem preço

A nossa irmã é pequenina
e ainda não tem seios.
Que faremos à nossa irmãzinha,
quando vierem pedi-la?
Se ela é muralha,
nela faremos ameias de prata.
Se ela é uma porta,
nela poremos pranchas de cedro.
Eu sou muralha
e os meus seios são torres;
aos olhos dele, porém, sou
a mensageira da paz.
Salomão tinha uma vinha
em Baal-Hamon:
deu a vinha aos rendeiros
e do fruto dela cada um lhe traz
mil moedas de prata.
A minha vinha é só minha.
Sejam para ti, Salomão, as mil moedas,
e duzentas para os que guardam o fruto dela.

O amor não tem fim

Ó tu que habitas nos jardins,
os meus amigos te ouvem atentos:
faz-me ouvir tua voz!
Foge, meu amado,
corre como o gamo,
como um filhote de gazela
pelos montes perfumados...”

@ bairro da liberdade



Saturday, July 03, 2010

ABEL MENDES (O PARDAL) Um feliz oliveirense

"
Deixou d'estar entre nós
O Amigo Abel Pardal
De seu nome Abel Mendes
Senhor de muitos afazeres
E de muito poucos "teres"...

Andou por lá muito tempo
A vender ao desbarato
A sua rica inocência...

Não sabia dizer não
Embora o não fosse justo...
Ia aprendendo a lição
Com muito penoso custo...

Sabia um pouco de tudo
De tudo um pouco sabia
E de biscate em biscate
O Abel se propunha
Remediar o desacato
D'alguma súbita avaria...

Depois de muito brincar
Com a sua sorte e desgraça
Regressou à sua terra,
Oliveira do Hospital,
Cheio de amor e saudade...

E poeta sem o saber
Continuou a inventar
E a viver o seu poema...

Montou caixa d'engraxar
Com pomada da melhor
Como se tal profissão
Já a soubesse de cor!

Numa fase mais recente
Sempre o mesmo Abel de sempre:
O coração sempre aberto
À fraterna convivência...

Liberdade era consigo,
Opressão nunca mais...
Ainda viu nascer o trigo
Dos seus nobres ideais!...

Deixou d'estar entre nós
O amigo Abel Pardal...
A família o chorou
E os amigos também
E toda a gente em geral
Tem saudades do Pardal
Do Abel que Deus lá tem!..."

de Adelino da Costa Gonçalves
"Últimos Poemas"
(Edição Póstuma)
1990

Friday, July 02, 2010

my name is Ana!

e porque o passado é isso mesmo, passado, o futuro é o que fizermos hoje com o nosso presente:

para os que hoje serão meus amigos, só vos posso dizer o seguinte:

o meu nome é Ana...

...Hannah...

...significa Graciosa...

...Dedicada e Fiel...

...Detesta a Hipocrisia e a Malícia!

o caminho

"You can motivate by fear. And you can motivate by reward. But both of these methods are only temporary. The only lasting thing is self-motivation."

Thursday, July 01, 2010

Azarujando


'Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.' Pablo Neruda

Parabéns Pedro e Kristy


Yeahhhhhhhhhhhhhhh!!!!!!!
Vou ser tia outra vez!!!
Parabéns meus queridos, parece que vou ter de antecipar a viagem à India :-)