Monday, December 06, 2010

Homens e Mulheres

Cresci com um irmão quase da mesma idade.
O meu primeiro colega de carteira era um rapaz.
Gostava das brincadeiras das meninas, mas também adorava brincar com o meu irmão nas brincadeiras dos meninos.

Sabe-se lá porquê, sempre preferi a companhia dos homens, quanto mais crescia, mais isso se tornava uma evidência.
Claro que sempre tive amigas, mas à medida que deixamos de brincar e passamos mais o tempo a conversar, confesso que com os homens conseguia encontrar companheiros de conversa mais interessantes, ou talvez mais parecidos com o meu sistema de pensamento.

Recentemente tenho-me dado conta como essas companhias passaram quase todas pela fama de serem meus amantes.

Mas será que não existem mentes capazes de discernimento, capazes de perceber que há um universo de convivio entre homens e mulheres além do mero sexo?

Também me informaram, que estaria enganada. Que embora eu pudesse até considerá-los apenas meus amigos, eles certamente julgaram a minha aproximação com conotação sexual. E eu pergunto: não é isso normal, no sistema de pensamento no qual foram educados? E no entanto, se sempre existiu respeito, amizade e nenhuma tentativa abusiva da sua parte não devo continuar a considerá-los meus amigos?

O mais inacreditável é a certeza dos seus julgamentos. Vem esta conversa a propósito de um querido amigo que ao que parece há anos passa por meu namorado / amante / whatever...

Durante o ano de 2007 tive uma casa à venda em Lisboa e fui contactada por diversos agentes imobiliários. Até ao dia em que um deles me pergunta discretamente: «Você não é aquela que namorou um cabo-verdeano?» Naquele momento, na minha inocência respondi que não. Descrevo a localização da casa e recebo de volta o mesmo comentário: «É mesmo, foi você que namorou um cabo-verdeano, já sei qual é a casa». Naquele momento faz-se luz: ah pois o meu amigo preto que me costumava visitar na minha casa e eu na dele. Insisto que não namorei nenhum cabo-verdeano, angolano, moçambicano ou qualquer outra ex-colónia, mas não consigo convencer o meu interlocutor. Acabo por aceitar qualquer julgamento, o que eu quero mesmo é vender a casa!

E é essa a atitude que voltei a ter quando recentemente um ex-namorado de uma amiga me encontra em Lisboa com esse mesmo amigo. Claro que imediatamente foi comentar com a ex-namorada: a Ana agora anda com aquele?

Desisto, não tenho de justificar nada a ninguém, mas rogo-vos: Limpem as vossas mentes de pensamentos perversos e também verão o mundo com outros olhos.

Afinal o mundo que vos rodeia é criado pela vossa própria mente e seus pensamentos. E talvez porque na minha mente eles sempre foram só amigos, eles também me tenham visto a mim como apenas amiga.

2 Comments:

At 11:20 PM, Blogger RPV said...

Seria bem mais pobre esse mundo que entre homens e mulheres só houvesse um tipo de relacionamento possível. A aproximação de 2 seres humanos, independentemente do sexo pode ter inúmeras razões, desde a afinidade, ao interesse (que nem sempre tem que ser mau e até pode ser mutuo), ao humor de um ou de ambos, coincidências, etc... aliás, sob a mediocridade desse ponto de vista, mulher ou homem feio não pode ter amigos do sexo oposto, excluindo assim todas as centenas de atributos que podem fazer uma pessoa brilhar aos demais.
Parece-me no entanto possível, e é apenas uma teoria, que a aura de beleza que envolve a tua personalidade, de tão encantadora, surta um efeito especial nos homens, cujo sintoma passe pela perda da noção da realidade, levando a que nos casos relatados entrassem numa dimensão deslocada das suas órbitas ;)

 
At 4:54 PM, Blogger Aninhas said...

obrigada, mas essa mesma aura está em todos nós, só temos de a acender!
e somos nós homens e mulheres que temos de contribuir para essa mudança de paradigma

 

Post a Comment

<< Home