Thursday, December 09, 2010

O melhor empresário do mundo: Jesus Cristo

"Como era o empresário Jesus Cristo? Cristo revela em si as principais qualidades que costumam ser apontadas como necessárias a um bom empresário. Alguns traços do seu carácter e do seu ensinamento não deixam aqui nenhuma dúvida:

i) identificação das oportunidades de negócio - «O reino dos céus é também semelhante a um comerciante à procura de boas pérolas. Achando pérola de grande valor, vai, vende tudo o que tem e compra essa pérola».

ii) planeamento estratégico - «Qual de vós, ao construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos para ver se tem com que terminá-la? Não aconteça que, depois de ter lançado os alicerces e não sendo capaz de acabá-la, todos os que o virem comecem a fazer troça, dizendo: 'Este homem começou a construir e não pôde acabar'»

iii) necessidade de relações públicas -«Usai o dinheiro injusto para fazer amigos, e assim, quando o dinheiro faltar, os amigos receber-vos-ão nas moradas eternas»

iv) capacidade de liderança - «Segue-me e deixa que os mortos enterrem os seus mortos»

v) dedicação ao empreendimento - «Vim para lançar fogo sobre a terra, e como gostaria que já estivesse aceso! Devo ser baptizado com um baptismo, e como estou ansioso até que se cumpra!»

(...)

Mas além disso, Cristo revelou também outras qualidades que, sendo também essenciais a um bom empresário, raramente são referidas nos estudos de estratégia e são raras nos empresários comuns.

i) equilíbrio de vida - «que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua vida? O que pode um homem dar em troca da própria vida?»

ii) atenção aos mais pequenos - «Eu vos garanto: todas as vezes que fizestes isto a um dos menores dos meus irmãos, foi a Mim que o fizestes.»

iii) recusa em servir o dinheiro - «nenhum servo pode servir a dois senhores; porque ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e ao dinheiro.» O dinheiro é um instrumento do gestor não um tirano.

iv) recusa do culto da imagem - «Em seguida proibiu severamente aos discípulos que dissessem a alguém que ele era o Cristo». «Aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração» O sucesso gera muitas vezes o orgulho, e o orgulho pessoal torna-se então a finalidade de muitas das actividades do empresário, sobrepondo-se ao próprio negócio.

v) amor aos inimigos - «Amai os vossos inimigos, fazei bem aos que vos odeiam. Abençoai os que vos amaldiçoam, rezai pelos que vos caluniam.» O bom empresário é aquele que compreende que o confronto e a concorrência não impedem, antes exigem, o amor humano às pessoas envolvidas."

In «A Economia de Deus»

0 Comments:

Post a Comment

<< Home