Thursday, April 07, 2011

Escolho a alegria em vez da dor

"1. A dor é uma perspectiva errada. Quando experimentada, sob qualquer forma, é uma prova de auto-engano. Absolutamente não é um facto. Não há nenhuma forma que ela tome que não desapareça se for vista correctamente. Pois a dor proclama que Deus é cruel. Como poderia ser real, qualquer que seja a sua forma? Ela é um testemunho do ódio de Deus pelo seu Filho, do pecado que Deus vê nele e do Seu desejo insano por vingança e morte. 2. Podem tais projecções serem testemunhadas? Podem ser algo mais do que totalmente falsas? A dor não passa de um testemunho dos equívocos do Filho em relação ao que ele pensa que é. É um sonho de uma punição severa por um crime que não podia ser cometido, por atacar o que é totalmente inatacável. É um pesadelo dentro do qual ele foi abandonado pelo Amor Eterno, Que não poderia deixar o Filho que Ele criou do amor. 3. A dor é um sinal de que as ilusões reinam no lugar da verdade. Demonstra que Deus é negado, confundido com o medo, percebido como louco e visto como traidor para com Ele Mesmo. Se Deus é real, não há dor. Se a dor é real, não há Deus. Pois a vingança não faz parte do amor. E o medo, negando o amor e usando a dor para provar que Deus está morto, demonstrou que a morte é dona da vitória sobre a vida. O corpo é o Filho de Deus, corruptível na morte, tão mortal quanto o Pai que ele matou. 4. Paz a tal tolice! Veio o momento de rir de tais ideias insanas. Não é preciso pensar nelas como se fossem crimes selvagens ou pecados secretos com pesadas consequências. Quem, senão um louco, poderia concebê-las como causa de qualquer coisa? A sua testemunha, a dor, é tão louca quanto elas e não deve ser mais temida que as loucas ilusões que ela protege e tenta demonstrar que não podem deixar de ser verdadeiras. 5. Só os pensamentos te causam dor. Nada exterior à tua mente pode ferir-te ou machucar-te de modo algum. Além de ti mesmo, não há causa que possa te atingir e trazer a opressão. Ninguém além de ti mesmo, te afecta. Nada no mundo tem o poder de deixar-te doente ou triste, fraco ou frágil. Mas tu és aquele que tem o poder de dominar todas as coisas que vês, meramente reconhecendo que o és. Quando perceberes o quanto são inofensivas, elas aceitarão a tua santa vontade como se fosse a sua. E o que era visto como amedrentador se transforma agora numa fonte de inocência e santidade. 6. Meu irmão santo, pensa nisso por um momento: o mundo que vês nada faz. Não tem efeitos em absoluto. Representa apenas os teus pensamentos. E mudará inteiramente quando escolheres mudar a tua mente e optar pela alegria de Deus como o que realmente queres. O teu Ser é radiante nesta alegria santa, inalterado e inalterável para todo o sempre. E negarias a um pedacinho da tua mente a herança que lhe é própria, mantendo-a como um hospital para a dor, um lugar doentio ao qual as coisas vivas têm que vir para morrer no final? 7. O mundo pode parecer causar-te dor. Mas, como ele mesmo não tem causa, o mundo não tem o poder de causar. Como um efeito, não pode produzir efeitos. Como uma ilusão, ele é o que desejas. Teus anseios vãos representam as suas dores. Os teus estranhos desejos trazem a ele sonhos maus. Os teus pensamentos de morte o envolvem no medo, enquanto no teu perdão benigno, ele vive. 8. A dor é o pensamento do mal tomando forma e operando danos na tua mente santa. A dor é o resgate que alegremente pagaste para não ser livre. Na dor, nega-se a Deus o Filho que Ele ama. Na dor, o medo parece triunfar sobre o amor e o tempo substituir a eternidade e o Céu. E o mundo torna-se um lugar amargo e cruel, onde reina a tristeza e as pequenas alegrias desaparecem diante da investida da dor selvagem que aguarda para pôr um fim a todas as alegrias na miséria. 9. Desiste das tuas armas e vem sem defesas ao lugar quieto onde a paz do Céu enfim mantém todas as coisas serenas. Desiste de todos os pensamentos de perigo e medo. Não deixes nenhum ataque entrar contigo. Desiste da cruel espada do julgamento que estás apontando para a tua própria garganta e deixa de lado os agonizantes actos de agressão com os quais buscas esconder a tua santidade. 10. Aqui compreenderás que não há dor. Aqui a alegria de Deus te pertence. Esse é o dia em que te é dado compreender a lição que contém todo o poder da salvação. É essa: a dor é ilusão; a alegria, realidade. A dor é apenas sono; a alegria é despertar. A dor é engano; só a alegria é verdade. 11. E assim, mais uma vez fazemos a única escolha que jamais pode ser feita; escolhemos entre as ilusões e a verdade, a dor e a alegria, o inferno e o Céu. Deixa que a nossa gratidão pelo nosso Professor nos encha os corações ao estarmos livres para escolher a nossa alegria ao invés da dor, a nossa santidade no lugar do pecado, a paz de Deus ao invés do conflito e a luz do Céu em troca da escuridão do mundo." In "Um curso em milagres" lição 190

0 Comments:

Post a Comment

<< Home